!DOCTYPE html> insert_pixel_code_here
55 69 3321-3129

Pelo menos 83% das importações correspondem o volume de NPK

Parte relevante do PIB do Brasil está diretamente relacionado com os diversos segmentos do agronegócio. Mas, apesar do grande volume de produção, o Brasil é carente de fertilizantes agrícolas.

Um estudo da Associação dos Misturadores de Adubos do Brasil (Ama Brasil) indica que a importações corresponderam a 83% do volume de NPK (nitrogênio, fósforo e potássio) usado no Brasil em 2017.

A situação em relação ao potássio é extremamente grave, com algumas estatísticas indicando importações de até 95% de todo o cloreto de potássio consumido no Brasil.

A presidência da república se pronunciou sobre este assunto recentemente, indicando que uma das metas do governo é viabilizar a exploração de reservas nativas de potássio, cálcio e magnésio a fim de reduzir a dependência do mercado externo.

O escritório Mezzomo e Costa, baseado em Rondônia, tem auxiliado clientes a organizar a exploração de reservas minerais de potássio. Com o auxílio do escritório Adler Advocacia, especializado em direito internacional, o Dr. Jeverson Costa está ajudando detentores de áreas minerais ricas em potássio a obter investimentos no exterior.

A primeira rodada de captação já está em andamento e deve resultar na exploração de jazidas localizadas no estado de Tocantins. Espera-se que o projeto gere aumento significativo na produção nacional do potássio e que contribua para reduzir a dependência do mercado externo.

O aumento da produção será benéfico para os produtores rurais na região Centro-Oeste. A produção nacional resultará em opção logística mais acessível e em termos comerciais potencialmente mais vantajosos.

Pin It on Pinterest

Shares
Share This